Auto-Aprimoramento Felicidade

Como o poder da autoaceitação faz o mundo ajustar-se a você

Como o poder da autoaceitação faz o mundo ajustar-se à você
A autoaceitação é a chave para se sentir mais confiante, valioso, aceitável e inteiro, assim como você é.

Todos nós sentimos a onda quente de vergonha de vez em quando. Aquele flash de desconforto que nos faz querer nos esconder e nunca mais enfrentar o mundo novamente. Mas quando esses pensamentos continuam recorrendo, ou quando nosso medo de fazer um tolo de nós mesmos nos leva a evitar situações, então a vergonha pode levar a uma ansiedade paralisante.

Mas sentimentos de vergonha podem ser superados primeiramente compreendendo o que os causa. E assim aprendendo a aceitar-se como bom o bastante apenas da maneira que nós somos. A autoaceitação não é fácil, mas é essencial para viver uma vida feliz e gratificante, onde já não nos sentimos envergonhados de quem somos.

A vergonha leva à ansiedade quando constantemente refletimos sobre nosso passado e sentimos vergonha em ocasiões em que fizemos ou dissemos algo errado. Muitas vezes, os sentimentos de vergonha são porque sentimos que não somos iguais às outras pessoas e realmente não nos encaixamos.

Podemos também colocar grandes expectativas em nosso próprio comportamento, exigindo-nos a alcançar a perfeição em tudo o que fazemos.

A alternativa ao esforço tão difícil de ser perfeito e “se encaixar” é nos aceitar como somos. A autoaceitação pode nos ajudar porque, quando verdadeiramente acreditamos que somos basicamente seres humanos decentes, apesar de, e às vezes por causa de nossas inadequações e falhas, podemos deixar de lado o medo de que faremos ou digamos algo de que nos sintamos envergonhados. Através da autoaceitação, descobrimos que, embora tenhamos diferentes sentimentos, desejos e necessidades daqueles dos outros, somos valiosos, aceitáveis e inteiros tal como somos.

Por que é difícil aceitar-se na sociedade moderna?

Aprender a aceitar-nos como somos é irmos contra a corrente de uma sociedade onde o trabalho duro, esforçar-se ao máximo, definição de metas e auto-aperfeiçoamento são altamente cotados. Somos encorajados a sentir vergonha de nossas rugas, excesso de peso, falta de poder aquisitivo, roupas, posses e quase tudo o resto que podemos pensar. Nossa cultura  usa  esses medos de não sermos bom o suficiente para vender-nos “curas” para a nossa dor. Estas curas vêm na forma de produtos que váo desde cremes anti-rugas até pílulas dietéticas. De roupas de grife a carros e de inscrições em ginásios até cursos de auto-aperfeiçoamento.

Claro, não há nada de errado em tentar aprender coisas novas, melhorar nossas habilidades e melhorar nosso bem-estar emocional e físico. Mas isso precisa vir de um lugar de aceitar-se plenamente como nós somos. Uma criança não aprende a andar por envergonhar-se de rastejar; uma criança aprende a andar por curiosidade, determinação e um desejo de se desenvolver. Nem há nada de errado em comprar as coisas que queremos. Mas desde que nosso consumismo não seja alimentado por um sentimento de inadequação. Comprar uma camisa bonita ou um vaso elegante para o prazer de usá-los e de apreciá-los é completamente diferente de comprar produtos porque em um nível profundo nos sentimos inadequados sem eles.

Como desenvolver autoaceitação?

Infelizmente, não há nenhuma maneira correta de obter esse senso de autoaceitação para muitos. Este é um processo que pode ser lento e frustrante. Mas apenas saber que você tem uma escolha, que você não tem que manter-se eternamente envergonhado. E que também não é seu dever se sentir culpado por cada menor delito, escorregadela ou gafe. Isto já é suficiente para ajudar a tornar o fardo da vergonha menos pesado.

Para ajudar a mover-se para a autoaceitação, quando os sentimentos de vergonha surgem, tente relaxar e respirar através deles. Busque resistir à tentação de seguir as emoções negativas de auto-análise, condenação e julgamento. E quando você achar que está fazendo isso, retorne seu foco para a respiração e tente relaxar mais uma vez. Mantenha-se relaxado através do seu sentimento de vergonha, até que se torne uma segunda natureza reagir dessa maneira. Eventualmente, você começará a aceitar a si mesmo como bom o suficiente da maneira que você é.

O que acontece quando começamos a nos aceitar como somos?

Imagine o alívio, o peso saído de nossos ombros, se pudéssemos realmente acreditar que fomos bons o suficiente. Mesmo apesar dos fundos limitados em nossa conta bancária, a nossa incapacidade de cozinhar um risoto e não estarmos satisfeitos com o que nos diz a nossa balança.

Esta maravilhosa vida selvagem é um presente para nós e é nossa para gastarmos como nós desejarmos. Podemos escolher não gastar nosso precioso tempo, energia e atenção em tornar-se o que a sociedade julga aceitável. Podemos optar por rejeitar a mensagem de grandes empresas que jogam em nossos medos de não sermos bons o suficiente para vender seus produtos. Podemos optar por acreditar que nossos valores, ideias e sentimentos são tão válidos quanto os de qualquer pessoa e liberar a sensação de que há algo sobre nós que não é aceitável. Naturalmente, devemos fazer tudo isso enquanto estamos conscientes de que os outros também têm esse direito.

Ao escolher aceitar-nos tal como somos, é um pré-requisito que honremos os outros da mesma maneira.


Se esse artigo lhe foi útil, curta, comente e compartilhe!

Para ajudar-nos a melhorar o conteúdo do nosso site, deixe o seu voto.

Queremos fazer o melhor para você. Deixe aqui a sua avaliação do nosso conteúdo!

Queremos fazer o melhor para você. Deixe aqui a sua avaliação do nosso conteúdo!

Sobre o autor

Author Image

Marta Leite

Life and Business Coach - Harmonia Pessoal

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: